A Pessoa no centro da Inovação

1 Sep 2017

O Papel do Design no Negócio, reportagem Revista Recheio #100
Portugal tem de se equipar com experiências. E o nosso design e os nossos produtos concorrem melhor do que ninguém para essas experiências." Joana Beirão, Business Designer.

 Quando tentamos perceber as pessoas e as pomos no centro da discussão, não há como falhar. O que um designer ou outro criativo devem fazer bem é descobrir e identificar as pessoas e os seus problemas e, daí, construir o produto. Esta é a viragem do mindset para a inovação”, assegura Joana Beirão, business designer e coordenadora do projecto O Mais Português Hotel do Mundo, resultante de uma parceria

entre o grupo Hoti Hotéis e a Fundação AIP.

 

Para desenvolver este projecto, Joana, que há anos desejava promover Portugal através do design, colocou-se na pele do turista – “O que é que os turistas vêem em Portugal?” – para chegar ao conceito final do produto. “Há meia dúzia de pessoas em Portugal que acredita no design português, no artesanato português e que acreditam que a passagem da mensagem da portugalidade é por aí. Agora, os hotéis são casas portuguesas? Não. São quartos com camas muito confortáveis e que poucas experiências trazem ao cliente, além do conforto”, explica Joana Beirão, que seleccionou cinco equipas para desenvolver propostas para o hotel. A todas lançou o repto: dizer ao país que é possível criar um hotel só com produtos portugueses. “Provámos que é possível. Foi a maior mensagem que passámos”, realça.

 

Por outro lado, num mundo em que os negócios se multiplicam e as escolhas parecem infinitas, torna-se mais fácil chegar às pessoas através de conceitos – que devem ser fortes, actuais e obedecer a tendências — uma vez que estes criam clusters, agrupando indivíduos com os mesmos interesses. “Não se pode pôr um negócio na rua sem experimentar se existe realmente pessoas interessadas nele. E quando fazemos isto estamos a fazer o futuro hoje”, alerta a especialista, para quem o design tem de estar colado ao modelo de negócio. Como exemplo a seguir, Joana Beirão destaca o modelo do Club Med: uma cadeia que “tem tudo o que o ramo hoteleiro deve ter: diferenciação, entretenimento, espaços para as pessoas que não querem entretenimento, recursos humanos polivalentes…”. A seu ver, o futuro da hotelaria far-se-á por isso pela diferenciação e pela celeridade de apresentação do projecto. “Diz-se que o segredo é a alma do negócio até ele abrir. Agora é o contrário: nós dizemos às equipas das startups ‘mostrem o vosso produto o mais cedo que conseguirem, para verem se as pessoas querem comprar’. Deve-se falhar o mais cedo possível, porque sai muito caro um erro de negócio”, assegura.

 

Fazer do universal único

Outro destaque de Joana Beirão vai para a iniciativa da cadeia McDonalds que está a activar a chamada tendência do Unique and Universal, através da qual marcas mundiais dão ênfase ao que é único nos diferentes países. “No McDonalds do Chiado, sente que está num restaurante em Lisboa, porque toda a imagem fala Lisboa”, afirma.

 

Bem vindo a uma nova forma de Hospitalidade.

 

Chama-se Jo&Joe e é a nova marca do grupo AccorHoteis que, em resposta às tendências do mercado, procura oferecer o melhor do alojamento particular, aos hostels e da hotelaria tradicional

 

Já nos dizia a Joana Beirão, designer e coordenadora do projecto O Mais Português Hotel do Mundo, que o hotel não tem de ser apenas para os hóspedes, pode ser aberto à comunidade , criando novas propostas de valor". Muitos dirão que o Alojamento local e os novos players digitais, são o exemplo perfeito desta ligação, mas já há grupos hoteleiros a trabalhar neste sentido.

E o AccorHoteis - que em Portugal detém hotéis de várias insignias, desde topo de gama à gama mais económica - é um desses casos com a criação da marca o Jo&Joe em setembro de 2016, através de um Laboratório de Marketing e Inovação.

O objectivo aplica Mattieu Perrin, director da marca, é atingir as necessidades dos novos viajantes e mais especificamente da geração millennial". Afinal, continua, esta geração viaja três vezes mais do que os seus pais e quer fazê-lo de uma forma diferente. "Não querem ficar pelo tradicional quarto de hotel - querem experimentar a gastronomia local, querem conhecer as pessoas que lá vivem. I daí termos procurado criar uma nova oferta focada nas expectativas das gerações."

Uma 
experiência totalmente diferente em termos de design, serviço, catering e estadia, numa casa aberta aos habitantes locais e aos turistas - assumes define a marca JoeJoe, que em Maio deste ano abriu a us primeira residência em Hossegor, em França.

 

Fonte: https://www.recheio.pt/fb/NoticiasRecheio100/#p=53

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Porque #PortugalFazBem

9 Nov 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

November 9, 2019